Preço do milho encerra a semana acumulando altas no Brasil

Foto: Ilustrativa

A sexta-feira (18) chega ao final com os preços do milho registrando algumas altas no mercado físico brasileiro. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, não foram percebidas desvalorizações em nenhuma das praças.

Já as valorizações apareceram em Cândido Mota/SP (0,77% e preço de R$ 65,50), Londrina/PR e Cascavel/PR (1,59% e preço de R$ 64,00), Marechal Cândido Rondon/PR e Ubiratã/PR (1,60% e preço de R$ 63,50) e Eldorado/MS (1,65% e preço de R$ 61,60).

Confira como ficaram todas as cotações nesta sexta-feira

De acordo com o reporte diário da Radar Investimentos, “gradativamente, o número de negócios no mercado físico fica menor e a tendência que o fluxo continue mais calmo até os primeiros dias de janeiro. Neste sentido, há pouco espaço para variações bruscas de preços”.

No Rio Grande do Sul, por exemplo, o preço médio do milho recuou 2,56% em relação a semana anterior e chegou em R$ 73,82 a saca.

A SAFRAS & Mercado, apontou que o mercado brasileiro de milho segue com negócios travados e com fraco interesse por parte dos compradores, o que deve manter os preços estabilizados. “O mercado brasileiro de milho manteve preços estáveis. Com muitas empresas já encerrando suas atividades no ano, o mercado esteve praticamente parado no dia”, diz a publicação.

B3

Os preços futuros do milho operaram em campo misto boa parte da sexta-feira, mas encerraram o dia subindo na Bolsa Brasileira (B3). As principais cotações registraram movimentações positivas entre 0,29% e 0,79% no fechamento do mercado às 16h20.

O vencimento janeiro/21 foi cotado à R$ 77,36 com valorização de 0,79%, o março/21 valeu R$ 77,50 com ganho de 0,78%, o maio/21 foi negociado por R$ 73,61 com elevação de 0,29% e o julho/21 teve valor de R$ 66,80 com alta de 0,53%.

Com relação ao fechamento da última semana, os futuros do milho acumularam valorizações de 4,26% para o janeiro/21, de 4,38% para o março/21, de 2,39% para o maio/21 e de 2,77% para o julho/21 na comparação com a última sexta-feira (11).

Para o analista de mercado da Brandalizze Consulting, Vlamir Brandalizze, a Bolsa Brasileira operou em campo misto nesta sexta-feira porque o mercado brasileiro depende do valor do dólar e de Chicago.

“Chicago está bem, mas o dólar tem flutuado. Tem dia que está em baixa e no outro em alta, e caminha para ser algo abaixo dos R$ 5,00 nos próximos meses. Como as exportações nos portos hoje estão perto de R$ 70,00, a tendência é o mercado se ajustar nesses níveis. Aquela fase dos R$ 80,00 passou e tudo indica que teremos uma grande oferta de milho em 2021, que promete ser o melhor ano da história para a rentabilidade do milho”, diz Brandalizze.

>>AnteriorCom rentabilidade histórica, pecuaristas aproveitaram pra investir na melhoria genética do rebanho
Próxima>>Conmebol anuncia datas e horários das semifinais da Libertadores

Comente essa matéria

Comente:
Digite seu nome